Como ser fangirl basicamente me salvou

BTS, TXT e Blackpink: alguns dos meus "grupos-conforto" de 2020. (Ilustração autoral)

Eu nunca vou esquecer uma entrevista do Harry Styles para a Rolling Stone lá em 2017 onde ele fala sobre fangirls. Naquele contexto, ele falava sobre sua música solo ser “mais velha” e se isso seria um problema para suas fãs “mais novas”, já que a mídia entende fangirls necessariamente como garotas adolescentes: “você quer me dizer que elas não estão falando sério?

Por mais de uma uma vez desde o dia 14 de março (o dia em que eu oficialmente comecei a ficar em casa isolada) eu fiquei acordada até mais tarde ou acordei de madrugada. Em ambas as ocasiões, foi pra grandes acontecimentos do k-pop como estreias de MVs e lives, e isso ainda vai acontecer mais algumas vezes até o final desse meu isolamento (que não tem data para terminar).

Algumas vezes eu mesma me peguei pensando “como é bom ser adolescente” enquanto rolava minha timeline em busca de mais uma fanfic ou comprava mais um item de merchandising de banda coreana ou compartilhava mais uma foto-conceito de algum comeback que eu estou esperando impacientemente, mas a verdade é que bom mesmo é poder viver isso aos meus 27 anos.

Em um ano em que pouquíssimas coisas foram dignas de comemoração, e em que a saúde mental de quem tá em casa há 8 meses está bem fragilizada, eu por muitas vezes me peguei agradecendo aos meus “grupos-conforto” de k-pop e pensando que fazia muito tempo que eu não me sentia genuinamente feliz e empolgada com alguma coisa, qualquer coisa. Ser uma fangirl extremamente dedicada me devolveu a felicidade e o brilho no olhar que um mundo pandêmico me tirou –e me deu oportunidade de conhecer muitas pessoas.

Graças ao k-pop eu passei a me sentir mais próxima de pessoas com quem eu só tinha uma conversa amigável de Twitter, passei a procurar me informar mais sobre uma cultura que não é a minha, passei a querer aprender todo um novo idioma apenas por lazer, e passei a seguir nas redes sociais profissionais mulheres em quem eu agora me inspiro e às vezes troco uma mensagem ou outra de motivação.

Tudo isso enquanto fico maravilhada com as iniciativas de perfis que incentivam apoio a ONGs e à grandes causas, e enquanto bolo meus próprios projetos pessoais baseados nesse meu gosto recém-adquirido (e MUITO bem-vindo!).

Enquanto eu olho pra tudo isso, eu vejo, sim, uma versão minha adolescente ainda de cabelo alisado e que fazia essas mesmas coisas: ficava empolgada pra fanfics, pirava com fotos, se emocionava com entrevistas e esperava a estreia de um clipe (mas provavelmente na TV, e não numa premiere programada no YouTube), mas uma versão melhorada, uma versão de mim que agora pode aplicar toda essa energia, inspiração e paixão para fazer coisas, para ter companhia em um momento difícil com o de agora, e para simplesmente só se divertir e se alienar por algum tempo.

A gente cresce (especialmente nós que cumprimos o estereótipo feminino) sabendo que certas coisas são só pra meninas adolescentes, e devem ficar dentro daquela faixa etária, qualquer coisa fora disso já é uma vergonha, um guilty pleasure, mas em 2020 ser uma adolescente fangirl, de fato, me salvou de viver um ano completamente apática.

Ser uma fangirl em pleno 2020 e aos 27 anos me ajudou a ler mais o momento, a contar melhores histórias e a entender melhor o que me faz genuinamente feliz.

E eu estou falando muito sério.

--

--

27 anos. Brasileira. Criadora de conteúdo, ilustradora e blogueira de comportamento e de esporte. http://linktr.ee/ddsaldanha

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Duds Saldanha

Duds Saldanha

27 anos. Brasileira. Criadora de conteúdo, ilustradora e blogueira de comportamento e de esporte. http://linktr.ee/ddsaldanha